10 mitos sobre a gripe

Administrador | DR. HÉCTOR MEIJIDE (MEDICINA INTERNA HOSPITAL QUIRÓN A CORUÑA)Segunda-feira 27.01.2014

Estamos em plena temporada de gripe: d e espirros nos rodeiam, familiares, colegas de trabalho ou com nós mesmos, já doente por esse vírus de inverno. São muitos os conselhos sobre como prevenir e curar a gripe. Mas, o que há de verdade sobre eles?

10 mitos sobre a gripe

Artigos relacionados

A gripe de 1918: surgimento e propagação

Segunda-feira 10.09.2018

Prevenção do suicídio, a terceira causa de morte entre os mais jovens

Segunda-feira 10.09.2018

Não há um consumo mínimo de álcool é seguro durante a gravidez para o feto

Segunda-feira 10.09.2018

1. A exposição ao frio provoca a gripe.

A gripe é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus. Apesar de que é mais comum durante os meses de inverno, a gripe não tem nada a ver com a agrupar-se ou passar o tempo às intempéries.

2. Gripes e resfriados são produzidas apenas durante o inverno.

Embora tanto os resfriados como a gripe ocorrem com maior freqüência nos meses mais frios, não são exclusivos deles.

3. A vitamina C previne a gripe.

Um exemplo clássico de mito sobre a gripe é a Vitamina C, a que se atribuem propriedades que melhoram o sistema imunológico na defesa contra o vírus da gripe. Apesar de esta ou outras propriedades antivirais, não existem ensaios clínicos que avaliam a esta teoria.

4. Gengibre e propolio, antigripales da natureza.

Existem muitas plantas medicinais e outros tratamentos alternativos usados para o resfriado e a gripe. O gengibre e o propolio acredita-se que podem ajudar a se sentir melhor por suas propriedades analgésicas, apesar de não existir uma sólida evidência científica, e é provável que a melhora ocorrida com eles apenas para refletir a evolução natural da doença.

5. O alho e a cebola combatem a doença.

Alho e cebola também têm sido utilizados como remédios para os processos da gripe, tanto para prevenir como para reduzir os seus sintomas, acreditando serem dois poderosos antídotos capazes de lutar contra diferentes doenças respiratórias. No entanto, mais uma vez, não existem ensaios clínicos que avaliam estas crenças.

Colocar uma cebola crua no quarto para não apanhar gripe é apenas um mito mais: para não apanhar, o importante é evitar entrar em contato com pessoas que tenham a doença e realizar um correto e freqüente lavagem de mãos.

6. Os antibióticos combatem a gripe.

A gripe é uma doença freqüentemente autolimitada não complicada, e o seu tratamento é apenas sintomático; uma adequada hidratação, repouso relativo e o emprego de analgésicos e antitérmicos (paracetamol, anti-inflamatórios não esteróides, etc.) devem ser suficientes. Ao ser produzida por um vírus, os antibióticos não estão indicados para a gripe. Os antivirais só devem ser utilizados sob prescrição médica em pacientes de risco.

7. A vacina contra a gripe não é indicada para mulheres grávidas.

A gravidez é um processo em que a imunidade da mulher está um pouco reduzida, sendo assim, as grávidas um grupo de risco.

A vacina contra a gripe não só é adequado para as grávidas, mas também está indicada em elas por ser grupo de risco e é totalmente segura neste subgrupo. Além disso, é uma das vacinas mais seguras, com menor taxa de efeitos adversos e nunca pode produzir gripe, pois contém vírus inactivados.

8. Só devem ser imunizadas contra a gripe em crianças e idosos.

As crianças, os idosos e as pessoas que fazem parte dos grupos de risco devem ser imunizadas cada ano; fazem parte de grupos de risco idosos com mais de 65 anos, os pacientes que residem em residências sócio-sanitárias, as mulheres grávidas, assim como os indivíduos com problemas médicos crônicos (doenças cardio-respiratórias crônicas, diabetes, câncer, insuficiência renal, cirrose hepática, etc.).

É uma medida eficaz, pois diminui o aparecimento da doença, suas complicações e a mortalidade decorrente da mesma.

9. A gripe é apenas um mau sinal.

O resfriado e a gripe, ou influenza são duas doenças diferentes que têm sintomas semelhantes. Saber a diferença entre as duas doenças é importante porque em certas pessoas as complicações da gripe podem chegar a ser fatais:

  • A febre alta, tosse, dores musculares e dores de cabeça são mais próprios da gripe (e raros no frio)
  • os espirros, secreção nasal e dor de garganta são mais próprios do frio (e pouco ou nada comuns da gripe).

10. Diante da febre alta, onde se abrigar e suar ou tomar uma ducha gelada?

Ingestão abundante de líquidos; portar roupas arejadas; ficar sem roupa e usar uma toalha embebida em água fria na testa; casa de banho em água morna (37º); estas e outras medidas são eficazes para neutralizar uma rápida ascensão da temperatura. Ou agrupar-se muito ou chuveiro em água fria são medidas adequadas para combater a febre. Se persistir, recurriríamos a medicação antipirética.

Tem dúvidas? Plantéalas os comentários e responder-te-ei de bom grado.

Dr. Héctor Meijide

Medicina Interna

Hospital Quirón A Corunha

A finalidade deste blog é fornecer informações de saúde que, em qualquer caso, substitui a consulta com o seu médico. Este blog está sujeito a moderação, de forma que excluem-se dele os comentários ofensivos, publicitários, ou que não se considerem adequados em relação com o tema que trata cada um dos artigos.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply