18 os caminhos para levar uma vida saudável

O Caminho de Cervantes: 18 caminhos para levar uma vida saudávelOs caminhantes durante uma das rotas do “I Caminho de Cervantes”. Foto cedida.

Artigos relacionados

Uma rotina de aquecimento adequada é a chave para evitar contraturas

Quinta-feira 21.07.2016

Planejamento: fundamental para um estilo de vida saudável em família

Segunda-feira 23.05.2016

Férias de infarto sem arriscar sua saúde cardiovascular

Terça-feira 09.08.2016

Uma vida saudável requer um plano de ação

Segunda-feira 25.04.2016

Aos 75 anos de idade e depois de ter permanecido um mês hospitalizado por uma cirurgia de aneurisma abdominal (dilatação da aorta), o aposentado José Monteiro Reis garante que ele e 15 de seus companheiros do clube de caminhantes maiores de Torrejón já estão inscritos para fazer o curso do “II Caminho de Cervantes: algo mais do que caminhar”, que começa no dia 18 de setembro e se prolonga até o dia 4 de junho de 2017.

E é que Pepe -como lhe chamam seus amigos – foi um dos cinco pacientes diagnosticados com um aneurisma e o único que necessita de uma intervenção urgente, após submeter-se a uma ecografia da aorta, realizada a 525 maiores de 60 anos, como parte das jornadas de prevenção do Hospital Universitário de Torrejón, ao final de cada fase. “Já voltei a andar e eu vou participar porque sou senderista e estou muito grato com o hospital”, afirma.

Mais de mil pessoas saem a caminhar em cada etapa. Foto cedida.

Como ele, quase 20.000 pessoas de 73 municípios da Comunidade de Madrid deixaram-se motivar por este projeto, premiado na segunda edição dos prémios Albert Jovell, na categoria de ‘Melhor iniciativa para melhorar os resultados em saúde dos doentes em Portugal’, e escolhido entre outros 264 projetos.

A motivação de andar em grupo

“O doutor Ignacio Martínez Jover, gerente do Hospital, me disse que tínhamos bastante incidência de câncer de pulmão e que a única forma de frenarlo era através de hábitos de vida saudáveis. Então, estamos a procura de um programa que fosse além de uma corrida de um dia”, conta Silvia Flórez, responsável de Desenvolvimento de Negócio Hospital Universitário Torrejón.

De acordo com Flórez, ocorreu-lhe “poder acomodar os municípios e fazer algo semelhante ao Caminho de Santiago, mas de uma forma mais básica”, que lhes permitisse “tirar as pessoas a caminhar”, e assim prevenir o aparecimento de doenças e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Ainda hoje, o que se propõem é acompanhar as pessoas que lhes apetece, mas não têm a companhia ou os meios para fazê-lo”.

O que não imaginavam é que a iniciativa teria tanta acolhida no primeiro encontro -a partir de Torrejón de Ardoz, até são joão da talha-. Para a surpresa dos organizadores, dos habitantes da zona, onde esperavam receber a “cerca de 90 pessoas”, e os mesmos participantes, ao lugar vieram 950 pessoas de todas as idades.

Os caminhantes realizam a chegada a linha de chegada em uma das rotas. Foto cedida.

Naquele dia, depois de percorrer uma média de 7 a 10 quilômetros, são paulo os recebeu com zumba, teatro e uma comida popular, lembra o prefeito do município de 4.500 habitantes, Antonio Martinho, que também afirma que com “o sabor de boca que lhes ficou, sempre vão lembrar o primeiro Caminho de Cervantes”.

Graças à popularidade que obteve o projeto na região, 15 municípios iniciais juntaram-se mais três. De igual forma, a Associação de Diabéticos de Madrid participa com uma série de receitas para uma alimentação saudável, elaboradas por nutricionistas e estão disponíveis no site do programa, com o objetivo de prevenir e controlar a diabetes tipo II.

“O passaporte da saúde”

As três motivos do sucesso da iniciativa, conforme explica Floréz são: “que é organizado por um hospital, e isso dá muita confiança; que andamos pelo campo e contamos com todas as medidas de segurança em caso de um ferido; e também porque envolvem a parte lúdica, de percorrer e conhecer um município”.

'Titan', o mascote oficial. Foto cedida.

Mas o que tem gerado o verdadeiro ‘engate’ dos caminhantes com o projeto é o “Passaporte do Viajante”, entregue a cada pessoa inscrita, onde cada folha é um município de chegada. “No final, isso é como um desafio e a gente se propõe obter todos os selos”, conclui Flórez.

Até mesmo, “há doentes crônicos que quando assistem a uma consulta no hospital, diz o médico, que eles fazem o Caminho de Cervantes, e se sentir muito orgulhosos disso”, acrescenta Flórez.

O grupo de autoridades locais, clubes de caminhantes, associações de doentes e peregrinos, acompanha também o “Caninode Cervantes“, um cão Husky Siberiano chamado ‘Titan’, que ganhou o concurso para ser a mascote oficial, uma iniciativa dos organizadores para promover o que os visitantes tragam seus animais de estimação para desfrutar do ar livre.

É assim como, a oportunidade de “conhecer pessoas, visitar passagens novos e fazer esporte“, é a essência de “um projecto muito ambicioso por parte do hospital e dos municípios envolvidos, afirma Antonio Martín, que espera que seu município cheguem mais de mil pessoas na primeira fase.

Os passos de Cervantes no Corredor de Henares

Com as sapatilhas postas, uma mochila com o distintivo azul e a silhueta de Cervantes, e sobre tudo, a vontade de caminhar, os participantes marcharão os municípios de são joão da talha, Paracuellos do Jarama, ann arbor, são paulo, Serracines, Ribatejada, Verão, Belo Horizonte, são paulo, Santos da Humosa, Santorcaz, Anchuelo, Portimão, Torres de la Alameda , Niterói, Velilla de San Antonio e Torrejon de Ardoz, sendo a última parada, o Hospital Universitário de Torrejón.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply