“As vacinas em crianças são totalmente essenciais”

Dr. López Goñi: Uma criança recebe uma vacina. EFE/Javier Roibás VeigaRuanda: Vacinas que salvam vidas

Sexta-feira 22.04.2016

Origem, sintomas, diagnóstico e prevenção do zika

Segunda-feira 08.02.2016

México aprova a primeira vacina contra a dengue do mundo

Quarta-feira 09.12.2015

O doutor Ignacio López Goñi intervém hoje na “I Jornadas científico de divulgação da cidade de Ávila” realizadas no Auditório de São Francisco, com uma conferência intitulada Como funcionam as vacinas? Por que tem que vacinar?

Na conversa com EFEsalud explica por que é tão necessário estar vacinado e realiza algumas considerações sobre os “movimentos antivacunas”.

Por que tem que vacinar?

Porque as vacinas nos protegem de doenças infecciosas e o problema é seu próprio sucesso. Ou seja, graças à sua eficácia cada vez há menos doenças e existe a falsa sensação de que não há necessidade de vacinar.

Nos países em que reduz a cobertura de vacinação (a quantidade de pessoas que se vacunan) voltam a ressurgir estas doenças infecciosas e muitas são graves e até mesmo fatais. Na Europa há alguns surtos infecciosos de sarampo e está relacionado com uma diminuição da cobertura de vacinação.

Dr. Ignacio López Goñi/ Foto cedida por ele.

Como funcionam as vacinas?

As vacinas estimulam as defesas para que, quando se encontrar com o microrganismo patogénico que provoca a doença, já que as defesas preparadas. Por isso, as vacinas podem ser microrganismos mortos ou enfraquecidos que são capazes de estimular o sistema imune para ativá-lo de forma rápida.

Como está a legalidade em relação à vacinação? O que acontece com os pais que optam por não vacinar seus filhos?

A vacinação não é obrigatória por lei, mas é uma irresponsabilidade, não só com os filhos, mas com o resto da cidadania. As vacinas têm um componente social, de que tu te vacunes depende a saúde do outro.

Há que ter em conta que há pessoas que, por razões médicas, não é conveniente que se vacunen e o resto da sociedade os protegem, se estamos vacinados. A vacina quebra a cadeia de transmissão do vírus, é uma espécie de cinto de saúde que você colocou ao redor da criança.

A situação é diferente quando há um surto epidémico porque se aplicam as condições legais excepcionais. Se, por exemplo, estende-se o sarampo, obriga-se a vacinação, por motivo de saúde pública.

Atualmente, há bastante controvérsia sobre as vacinas em crianças Vacinas se ou não em crianças?

Claro que sim. A vacinação não é obrigatória, mas são recomendados porque são um bem social. As vacinas em crianças são totalmente essenciais, a quantidade de doenças infecciosas pode padecer de uma criança é enorme, pois é a época mais vulnerável e seus sistemas imunes ainda estão se desenvolvendo.

Dá-Se o paradoxo de que em alguns países em vias de desenvolvimento, há famílias que estão a centenas de quilômetros e pagam o que for para vacinar seus filhos contra essas doenças, porque vê a morte de perto. E em outras regiões do planeta, onde sobra a abundância, como, por exemplo, na Califórnia, há cerca de movimentos antivacunas muito ativos e, inclusive, há bairros onde a cobertura de vacinação é menor do que nos países em vias de desenvolvimento. É uma contradição.

Por que esses movimentos antivacunas?

Esses movimentos são mais comuns nos países anglo-saxões, em Portugal não há uma grande actividade, é mais por adiamento ou por falta de informação. Nos EUA há correntes associadas à onda do ambientalismo e a idéia de que tudo que é natural é muito melhor. Pensam que os efeitos colaterais das vacinas não compensam a vacinação, quando é o contrário. É sempre melhor vacina que ter a doença que protege.

Quais são os efeitos secundários pode nos causar?

Vacina. EFE/J. J. Guillén

  • O mais normal são os efeitos colaterais leves que se dão porque a vacina funciona. É normal que haja, por vezes, umas décimas de febre, certo desconforto, vermelhidão da área e, em alguns casos, até pequenos sintomas da própria doença. Cada pessoa pode responder de maneira diferente, por isso sempre a vacinação tem de ser recomendada por seu médico, que é quem conhece seu histórico.
  • Em casos muito esporádicos, 1 ou 2 por milhão de vacinados, pode haver algum problema sério de rejeição da vacina. A nível populacional, são casos pontuais. Isso é o que a sociedade tem que valorizar, se querem que haja 200 mil casos de pólio, ou 1 ou 2 casos de reação de vacinação forte.
A vacina contra o Zika já passa por testes em humanos, a do Ebola já foi comprovada como Encontraremos a cura do câncer?

É diferente, porque o câncer não é uma doença, é um conjunto de doenças. É verdade que as linhas de pesquisa vão para a imunoterapia com vacinas imunológicas que tentam estimular seu sistema imunológico para que, em vez de matar o microorganismo, vá direto a célula cancerosa.

Isto está em plena ebulição, haverá que continuar esperando, mas eu sou otimista. Acho que chegaremos a tratamentos mais específicos, baseados na estimulação do sistema imune contra certos cânceres específicos.

Já existe a vacina que previne o cancro do colo do útero Como funciona e a quem é dirigido?

Evita atacar o vírus do papiloma. O exemplo mais claro são as verrugas. São papilomas que entram nas células da pele e descontrolam. Dar a ordem de que se multiplique o vírus e isso forma uma verruga.

Alguns papilomavirus produzem isso no colo do útero. São tumores que se reproduzem sem controle e provocam o câncer de colo de útero.

A vacina foi feito com algumas proteínas do vírus, que se injectam e se produz uma resposta imune contra esse vírus. Com os anos tem vindo a melhorar, porque existem muitos tipos de papilomas. Esta vacina é administrada principalmente para meninas adolescentes, mas também para crianças, entre 12 e 14 anos.

Vacinas. EFE/GEORGE FREY

As vacinas homeopáticas são confiáveis?

A base da homeopatia é diluir em água de um princípio ativo centenas de milhares de milhões de vezes. Defendem que a água adquire uma memória de moléculas que tem e produz uma série de efeitos. Isso, obviamente, não tem efeitos colaterais, porque ele é simplesmente água, em muitos casos, com um pouco de açúcar.

O problema é que estão vendendo ar e fumaça a preços exorbitantes, às vezes. A gente que diz que dá resultado, lhes, se beneficia como faz o efeito placebo. Em suma, se estão vendendo água com açúcar, e isso não funciona, não é ciência.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply