Os fetos mais gostam de música clássica ~ EfeSalud

Os fetos mais gostam de música clássica e tradicional, e entre seus temas preferidos são a “Pequena serenata noturna”, de Mozart, o cântico “Capa sobre capa” e “Bohemian Rhapsody”, da banda de rock britânica Queen

O maestro George Tchitchinadze dirige a Sinfonia Varsóvia durante os ensaios prévios ao início do A gripe de 1918: surgimento e propagação

Segunda-feira 10.09.2018

Prevenção do suicídio, a terceira causa de morte entre os mais jovens

Segunda-feira 10.09.2018

Não há um consumo mínimo de álcool é seguro durante a gravidez para o feto

Segunda-feira 10.09.2018

Assim, conclui um estudo do Instituto Marquès, clínica de barcelona, especializada em reprodução assistida, que analisou as reações dos indivíduos perante diferentes tipos de música, em uma pesquisa que foi apresentado no congresso da International Association for Music and Medicine, realizado na Cidade Condal.
O estudo comparou as reações dos fetos submetidos a músicas como rancheras, música tribal, clássica ou temas de rock e pop e concluiu que preferem música clássica e tradicional.
Segundo a diretora do Instituto Marquès, Marisa Lopes-Teijón, “desconhece-se por que este tipo de música faz com cerca de estímulos tão positivos no desenvolvimento do feto dentro da barriga de sua mãe, mas em todos os casos, trata-se de melodias que perduraram ao longo dos anos, seja uma serenata de Mozart ou o som ancestral de alguns tambores africanos”.
López-Teijón assinalou que, precisamente, a música tradicional, de sons simples e repetitivos, é que também gosto de os bebês recém-nascidos.
“A primeira linguagem musical foi mais do que verbal, e continua sendo; instintivamente continuamos falando para os bebês com tom alto e melodia porque sabemos que é o melhor nos entender, então, se dão conta de que queremos nos comunicar com eles”, segundo López-Teijón.
Segundo o estudo, o pop-rock é o estilo que menos reações provoca no feto, com exceções, como o tema “Bohemian Rhapsody”, do Queen, ou o instrumental “‘Mna Na h’Eireann”, interpretado por Sharon Corr (do quarteto irlandês The Corrs).
“Talvez essas músicas atuais que têm tão boa resposta no desenvolvimento fetal, com os anos, mantêm-se no tempo e também se tornarão clássicos”, foi puntualizado o diretor científico do Instituto Marquès, Álex Garcia-Faura.
Para realizar o estudo, os pesquisadores avaliaram os movimentos da boca e da língua de 300 fetos entre 18 e 38 semanas de gestação, em resposta aos 15 músicas de três estilos musicais: clássica (Mozart, Beethoven, Bach, schubert, Strauss, Prokofiev), tradicional (festas, tambores africanos, mantras, rancheras) e pop-rock (Shakira, Queen, Village People, Adele, Bee Gees).

Leia também: Estimulante sexual
Para isso usaram um alto-falante vaginal desenvolvido pela própria equipe do Institut Marquès: “Graças a Babypod temos demonstrado que os fetos podem ouvir a partir da semana 16, quando mede 11 centímetros apenas se o som lhes vem diretamente da vagina, porque os fetos mal pode ouvir o ruído proveniente do exterior”, esclareceu López-Teijón.

Redação EFE: fjn/mg

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply